Os uruguaios no Internacional

Os uruguaios no Internacional

O uruguaio Diego Forlán, melhor jogador da última Copa do Mundo, chega neste sábado com o status de grande reforço para o Internacional. Quando o assunto é jogador uruguaio, o torcedor colorado lembra de Rubén Paz, ídolo do clube nos anos 80 (1982 a 1986) e, mais recentemente, do zagueiro Sorondo, que jogou cinco temporadas no Inter (2007 a 2011). No total, até hoje, 25 jogadores uruguaios já disputaram partidas pelo Internacional. Diego Forlán será o 26º desta lista que iniciou com Rivarol Padilha, um meio-campista, que atuou nos primeiros jogos da história do clube. Rivarol disputou cinco jogos e não marcou nenhum gol. Confira a lista completa dos uruguaios que já vestiram a camisa do Sport Club Internacional.

 

Aguirregaray (Zagueiro, 1988-1989)
Óscar Aguirregaray Acosta (Artigas, 25 de outubro de 1959) foi um bom zagueiro no Internacional. Antes defendeu os dois grandes times de seu país, Nacional (URU) e Peñarol (URU), além do Defensor (URU). No Brasil também atuou pelo Palmeiras (BRA) e Figueirense (BRA), porém o mais marcante foi no Internacional onde fez boas atuações e participou do time vice-campeão nacional em 1988, participando do Grenal do Século, na semifinal da competição. Também estava na equipe que fez ótima campanha na Libertadores da América 1989 sendo que uma das reclamações dos Colorados até hoje é que ele deveria ter batido o pênalti durante o jogo na semifinal entre Internacional x Olímpia (PAR). Quem bateu foi Nilson e errou, gol que fez falta para o Inter que acabou eliminado.

Bruno Silva (Lateral, 2010)
Bruno Ramón Silva Barone (Cerro Largo, 29 de março de 1980) foi lateral direito do Inter. Chegou no Clube por indicação de Jorge Fossati, sendo emprestado pelo Ajax (HOL). Não teve boas atuações, perdeu a posição para Nei e depois para Daniel, tanto que nem foi relacionado no grupo para o Mundial de Clubes 2010. No Internacional conquistou a Copa Libertadores da América 2010.

Castillo (Atacante, 1935-1942)
Fabio Castillo trocou o Grêmio pelo Internacional em 1935. Jogou no Colorado até 1942. No Internacional foi campeão municipal em 1936, 1940, 1941 e 1942, campeão do Torneio Relâmpago em 1939 e Campeão Gaúcho em 1940, 1941 e 1942.

Diego Aguirre (Atacante, 1988-1989)
Diego
Vicente Aguirre Camblor (Montevideo, 13 de setembro de 1965) foi um atacante de razoável sucesso no Interncional. Não fez um bom Campeonato Brasileiro de 1988, sendo reserva quase todo tempo, porém na semifinal contra o Grêmio, no Gre-Nal do Século, foi fundamental para a virada. Na Libertadores 1989 foi o goleador do Inter com 5 gols e boas atuações.

Félix Magno (Meio-Campo, 1928-1932 e 1939-1941)
Felix Magno (Las Piedras, 13 de abril de 1909) foi um volante que apareceu no futebol de Bagé e em 1928 transferiu-se para o Internacional. Em 1932 foi para o Nacional (URU) e retornou para o Internacional na montagem do Rolo Compressor no início da década de 40. No Internacional conquistou o Campeonato Gaúcho 1940.

Florêncio Ygartua (Zagueiro, 1910-1912)
Florêncio Ygartua Filho (Montevideo, 11 de setembro de 1892) fez sua estreia pelo Inter em 21 de agosto de 1910, no oitavo jogo da história do Clube, na derrota de 3x1 para o Militar F.C., jogo válido pelo Campeonato Citadino. Destacado e humanitário médico formado pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre foi zagueiro famoso e titular da equipe quando acadêmico. Uma das principais ruas de Porto Alegre leva o seu nome como uma saudosa homenagem e como gratidão.

Ghizoni (Meio-campo, 1946-1950)
Rodolfo Ghizoni (Salto, 3 de outubro de 1924) atuou 73 jogos com a camisa do Internacional e fez 27 gols. Destacou-se no Gre-Nal pelo Torneio da ACEPA de dezembro de 1948 quando fez os dois gols da vitória, conquista que nos deu a Taça Porto Alegre da Associação dos Cronistas Esportivos.

Graham Bell (Zagueiro, 1937)
Armando Graham Bell atuou apenas em uma partida pelo Internacional, o último Gre-Nal de 1937, que perdemos por 4x3. Atuou em 1937 no Internacional, em uma zaga que Risada estava no auge de sua carreira. Também jogou no Botafogo (BRA), Corinthians (BRA) e Portuguesa Santista (BRA).

González (Zagueiro, 1950)
Rápida passagem pelo Clube, atuou apenas 4 jogos, sem marcar gols.

Henrique Lay (Meio-Campo, 1912)
Fez sua estreia pelo Inter em 2 de junho de 1912, na vitória de 4x3 contra o Fuss-Ball, jogo válido pelo Campeonato Citadino. Atuou 4 jogos pelo Clube.

Ica (Meio-Campo, 1964-1965)
Darci Pereira Pereira (Rivera, 1 de julho de 1936) foi contratado ao Floriano de Novo Hamburgo, jogou 48 partidas e fez quatro gols pelo Inter.

Julio Pérez (Meio-Campo, 1957)
Julio Gervasio Pérez Guitiérrez (Montevideo, 19 de junho de 1926) foi um meia-direita de grande técnica, e que teve atuações decisivas na campanha do bicampeonato uruguaio na Copa do Mundo de 1950. Jogou 22 partidas pela Celeste Olímpica entre 1950 e 1957 e também participou da Copa do Mundo de 1954. Foi um dos ídolos máximos do Nacional (URU). No final da carreira jogou no Internacional, atuou pelo Inter em 16 jogos e fez 3 gols.

Lamas (Volante, 1969)
Alfredo Luiz Lamas Ullda (Montevideo, 02 de março de 1946) jogou no Inter em 1969 sem muito destaque.

La Paz (Goleiro, 1954-1959)
Jorge Américo La Paz, goleiro de ótima colocação e agilidade atuou antes no Nacional (URU) e no Nacional A.C. (BRA). Teté, o Marechal das Vitórias, trouxe La Paz para substituir o goleiro Everton, titular da primeira metade da década de 50.

Perez (Meio-Campo, 1944)
Cacho Perez atuou pelo Rolo Compressor na campanha do pentacampeonato gaúcho de 1944. Teve destaque no Gre-Nal amistoso de fevereiro de 44 quando marcou dois gols na vitória colorada por 3x2, os dois únicos gols que marcou pelo Inter em 11 partidas. Em abril de 1945 transferiu-se para o Floriano (BRA), mas sua última partida pelo Colorado tinha sido em agosto de 1944.

Raul Díaz (Lateral, 1949-1950)
Lateral esquerdo jogou em 1949 e no início de 1950. Atuou apenas em um Gre-Nal, em maio de 1949, vitória do Inter por 4x2 na Timbaúva.

Rivarol Padilha (Meio-Campo, 1911)
Meio-campista que atuou nos primeiros jogos da história do Internacional. Atuou por 5 jogos e não marcou gols.

Rizzo (Goleiro, 1937)
Atuou pouco no Clube, em dois clássicos disputados, perdeu os dois jogos.

Ross (Atacante, 1925 e 1927-1931)
Donaldo Ross (Montevideo, 1904) veio do 14 de Julho de Passo Fundo (BRA) em 1927, ano da primeira conquista estadual do Internacional. Em 30 de maio de 1925 fez um amistoso como jogador convidado pelo Internacional contra a Seleção de Santana do Livramento. No Inter fez 52 jogos e 19 gols, centroavante titular e profissional “marrom”. Foi titular do ataque no Gre-Nal de inauguração do Estádio dos Eucaliptos, porém não fez gol neste Gre-Nal. Mas no Gre-Nal seguinte, válido pelo campeonato, nova vitória colorada (1x0 - gol de Ross), e uma confusão bem característica da rivalidade Gre-Nal: Faltando 5 minutos para o fim do jogo, Poroto e Ross, após dividirem uma jogada, começaram a brigar. A briga espalhou-se entre os jogadores, transformando a partida em uma batalha campal. A Guarda Civil interveio, agredindo com cacetetes a jogadores e torcedores, e a partida foi interrompida.

Rubén Paz (Meio-Campo, 1982-1986)
Rubén Walter Paz Márquez (Artigas, 8 de agosto de 1959) foi um craque no meio-campo Colorado. Considerado um dos melhores meias do mundo na década de 80, chegou no Inter em 1982, onde permaneceu até 1986. Em 1988, ele foi eleito o melhor jogador das Américas atuando pelo Racing (ARG). Disputou duas Copas do Mundo pela Seleção Uruguaia. No Internacional conquistou os Campeonatos Gaúchos 1982, 1983 e 1984.

Salomón (Zagueiro, 1978)
Francisco Amado Salomón Alzaga (Cerro Largo, 28 de setembro de 1950) havia sido eleito o craque do campeonato uruguaio, atuando pelo pequeno Defensor (URU) e em março de 1978 o Internacional decidiu contratá-lo para preencher a vaga ainda aberta com a saída de Figueroa. Salomon estreou em maio de 1978, no empate em 1x1 com o Coritiba, no Couto Pereira, pelo campeonato brasileiro. O zagueiro começou como titular, mas chegou a perder a titularidade durante algumas partidas, voltando ao time apenas nos últimos jogos. Salomon não adaptava-se ao futebol brasileiro. No Uruguai, ele era o zagueiro da sobra. Em 7 de setembro de 1978, um Gre-Nal pelo campeonato gaúcho, que não valia mais nada, os dois clubes já estavam classificados para as semifinais do turno e jogariam com reservas, mudou sua vida. Logo aos 8 minutos de jogo, o atacante Everaldo entrou na bola com o corpo de lado e o pé levantado, solando o lance. Salomon chutou com força, e o impacto do choque ocasionou fratura exposta da tíbia e perônio. O Internacional venceu por 1x0, e Salomon, que ficaria um longo tempo em recuperação, jamais jogaria pelo Colorado. Pelo Internacional, Salomon jogou 17 partidas (12 vitórias, 4 empates, 1 derrota), marcou 2 gols.

Sorondo (Zagueiro, 2007-2011)
Gonzalo Sorondo Amaro (Montevideo, 9 de outubro de 1979) foi zagueiro do Inter. Sorondo surgiu para o futebol em 1998, jogando pelo Defensor (URU). Destacou-se no Mundial Sub-20 disputado naquele ano e logo se transferiu, aos 22 anos, para a milionária Internazionale (ITA). Em 2007, Sorondo retornou ao Uruguai, novamente para atuar no Defensor (URU), e após se destacar na Copa Libertadores do mesmo ano, o jogador foi contratado pelo Internacional. Teve séria lesão nos ligamentos do joelho esquerdo no segundo semestre de 2007, em partida contra o Vasco. Volta apenas em maio de 2008 a atuar, mas uma semana depois torce novamente o joelho esquerdo. Não consegue se firmar titular do time por causa da sequência de lesões. Em 2010 tem boas atuações, apesar de continuar na reserva. Decisivo nas quartas de final contra o Estudiantes (ARG) na vitória de 1x0, gol de Sorondo de cabeça. No Internacional conquistou os Campeonatos Gaúchos 2008, 2009 e 2011, Copa Sul-Americana 2008, Copa Suruga Bank 2009 e Copa Libertadores da América 2010. Apesar de no grupo, não participou da Recopa Sul-Americana 2011 por estar com uma nova grave lesão no joelho e nem foi inscrito na competição. No encerramento de seu contrato em dezembro de 2011 o Inter não demonstrou interesse em sua continuação. Foi contratado pelo Grêmio para 2012, porém sofreu uma grave lesão em um jogo-treino de pré-temporada, o que fez o Grêmio rescindir o contrato antes mesmo de estreiar no novo clube. A transferência dele para o rival abalou muito a imagem do jogador com a torcida do Internacional.

Tomás Scabillon (Zagueiro, 1912-1913)
Tomás Scabillon estreiou no Internacional em 11 de agosto de 1912, na maior goleada da história do Clube, 16x0 contra o S.C. Nacional. Scabillon marcou um dos gols da partida. Atuou 4 vezes pelo Internacional. O zagueiro uruguaio no ano seguinte foi jogar em Bagé e acabou assassinado por outro jogador, em uma briga de rua.

Volpi (Meio-campo, 1944-1945)
Eduardo José Volpi foi contratado junto ao Nacional (URU). Meio-campista com forte chegada na frente, mas que não gostava muito de marcar e dividir as jogadas, destacou-se na sua estréia no Gre-Nal amistoso de 1944, na Baixada, marcado como a inauguração da bandeira do Grêmio. O Internacional venceu por 7x3 e Volpi marcou três gols no clássico. Sua última partida também foi um Gre-Nal em fevereiro de 1945, resultado empatado em 1x1. Disputou 15 partidas, marcando 6 gols pelo Colorado. Em abril de 1945, descontente com a reserva, pediu para sair do clube. .

Urruzmendi (Atacante, 1969)
José Urruzmendi (25 de agosto de 1944) foi um atacante da Seleção do Uruguai na Copa do Mundo de 1966. Participou da inauguração do Beira-Rio entrando no jogo contra o Benfica no lugar do Valdomiro. O mais marcante de sua passagem no Inter foi a grande briga do Gre-Nal de 20 de abril de 1969 onde apenas Dorinho (Inter) e Alberto (Grêmio) não foram expulsos.